sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Para ser Arquiteto é preciso saber desenhar? (ou então, Vou precisar de aspirina para a ponta dos dedos)

Steven Holl; Cactus Towers, Live Work Lofts
“Aqui existiu vida. Nela prevaleceu o sofrimento e predominou a injustiça. Mas também conhecemos o amor e até fomos capazes de imaginar a felicidade”
(Gabriel García Márquez, em Cataclismo de Damocles)
Há alguns dias 2012 deu as caras e confesso que eu já estava ansioso por isso... queria muito que 2011 terminasse, PRECISAVA que 2011 terminasse... foi um ano complicado demais pra mim... mas, assim como o Gabo, eu nunca deixei de imaginar a felicidade e por isso sei que 2012 vai ser sensacional e deixo meus votos mais sinceros que este seja um baita ano para todos os amigos que há tempos acompanham este blog e também para aqueles que estão aqui de passagem... 
Chega de milongas e vamos ao que interessa, o primeiro texto desse ano novo...
Várias pessoas chegam ao blog perguntando se é preciso saber desenhar bem para poder estudar Arquitetura ou para ser um bom Arquiteto... há quase três anos eu já me manifestei sobre isso em um texto chamado Desenhar é Preciso, Viver... mas gostaria de reforçar e complementar as idéias presentes no texto de 2009...
Não, eu não acho que seja preciso saber desenhar bem para estudar Arquitetura e tão pouco para ser um bom Arquiteto... é preciso saber desenhar bem para ser um bom desenhista e a Arquitetura está muito além de belos traços de grafite em uma folha de papel..
Na verdade eu nem acho que seja importante saber desenhar para estudar Arquitetura ou para ser Arquiteto... o importante é, citando Saramago, saber pensar com as mãos... isso sim é fundamental.
No livro A Caverna, o escritor português diz que além do cérebro que temos alojado no crânio desenvolvemos outros pequenos cérebros na ponta de cada um dos dedos das mãos... o cérebro da cabeça manifesta o desejo e fica esperando os cérebros das mãos fazerem o serviço... por isso pensar com as mãos.
Esse pensamento tátil não significa conseguir fazer desenhos bonitos, mas sim desenvolver o projeto utilizando a ponta dos dedos... com alguns croquis se fazem plantas e cortes esquemáticos, se estuda a forma externa, os espaços internos... o importante não é a beleza do desenho, mas a beleza com que do pensamento marca o papel... o importante é deixar as pontas dos dedos traduzirem, da maneira delas, o que a cabeça idealizou...
Todos nós podemos desenvolver essa capacidade... façam um esforço, lembrem-se das horas que -quando criança- vocês passaram desenhando e inventando estórinhas mirabolantes com canetinhas e folhas de papel... estórias cheias de personagens e de ação que sob os olhos de uma pessoa grande nada mais eram do que um monte de rabiscos, mas caso nos perguntassem o que era aquilo nós sabíamos contar exatamente que aqueles rabiscos diziam como o príncipe salvava o dragão da princesa egoísta... 
I.M. Pei; East Wing of the National Gallery of Art, Washington, D.C.
Certo que algum gaiato (às vezes acho que o meu português está ficando velho) vai dizer que os softwares atuais são poderosos e que sem eles projetos como os da Zaha Hadid, do Frank Ghery ou do Daniel Libeskind não seriam possíveis... e eu terei que concordar com isso, mas antes vou lembrar que todos estes grandes Arquitetos pensam (muito e muito bem) com as mãos antes de passar as idéias para os CADs da vida... 
Parece ser difícil para alguns estudantes e para alguns os arquitetos (principalmente os que não são old school) entenderem que a velocidade com as mãos transmitem informações para o papel é absurdamente maior do que a velocidade que o cérebro da cabeça transmite informações para um mouse... 
Usar o computador para lançar os primeiros traços de um projeto é deixar de pensar com as mãos... e fazendo isso se perde um montão de informações pelo caminho e se deixa de ter o correto desenvolvimento do raciocínio projetual... e quando falo de raciocínio projetual não estou me referindo apenas a sua geometria e/ou forma, me refiro ao completo entendimento do problema e sua devida solução, levando em conta todas as condicionantes existentes (topografia, orientação solar, tipo de solo, atendimento do programa de necessidades, fluxos e circulações, soluções tectonicas... etc... etc... etc...).
Erich Mendelsohn; Library and Office Building of Salman Schocken,
Jerusalem
Então, você que está pensando em estudar arquitetura e não sabe traçar uma linha reta... desencana, a precisão do traço é bem menos importante do que o que ele diz... e você que já estuda arquitetura ou pensa ser é arquiteto, mas não pega numa lapiseira há tempos... acho que é válido rever a maneira como você está pensando, nunca é tarde para começar ou recomeçar... 
P.S.: Ilustrando a postagem alguns exemplos de como um Arquiteto pensa com as mãos, desenhos retirados do livro Architects’ Sketches - Dialogue and Design da professora Kendra Schank Smith.


P.P.S.: Se você usa Facebook e também quer acompanhar o nosso blog por lá, basta "CURTIR" no box à sua direita ou acessar www.facebook.com/arquiteturas

8 comentários:

  1. luuu preciso praticar mais.. to fazendo isso a cada dia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. faça isso jésyca... tu só tens a ganhar com isso!

      Excluir
  2. É isso mesmo Luciano. Já escutei essa pergunta algumas vezes. Penso que os croquis que acompanham um raciocínio tem sua importância não apenas criativa, mas documental. Olhando os desenhos e brainstorms é possível "ler" as conversas que levaram às soluções.
    Um excelente 2012 para você e o Gabriel.
    Abraço.
    Fernando Gobbo

    ps: e a parte 3 do TFG hein? Haha

    ResponderExcluir
  3. Fernando, o problema é os atletas de sketchup entenderem isso... eu lecionei projeto de 2007 à 2010 e tu não imaginas como é complicado mostrar pra gurizada que lançamento se faz à mão...

    Sobre os croquis de desenvolvimento serem documentais, concordo plenamente... lembro que nos tempos de PUC os professores old school pediam para que não jogassemos nada fora antes do semestre terminar e que usassemos papel manteiga para fazer croquis sobre croquis e assim ir vendo a evolução do projeto.

    abraço
    um baita 2012 para ti e para a Larissa.
    luciano

    p.s.: Cara, a segunda parte ficou tão ruim, mas tão ruim que eu me desanimei um pouco... achei que conseguiria dar um formato melhor à isso, mas daqui a pouco eu retomo a séria-série do TFG...

    ResponderExcluir
  4. Acho que quem desenha entende melhor o espaço e as proporções, simples assim. E o exercício - se não diário mas pelo menos frequente - do rabisco é fundamental para isso, e ajuda até a desenhar no computador. Mas é uma percepção minha. Sou "old school", resolvi fazer arquitetura porque gostava de desenhar, tive aula de aquarela no segundo semestre, fiz a primeira metade da faculdade integralmente "na munheca", do estudo preliminar à entrega final... eu sinceramente acho triste constatar que essa visão está ficando ultrapassada. Não sou contra o uso do computador, muito pelo contrário, ele é uma ferramenta de produtividade fenomenal e - se usado para o bem - dá asas à criatividade. Certas geometrias incríveis em estruturas complexas, fruto da mente perturbada de alguns arquitetos, jamais teriam saído do papel sem ele. Ok. Mas pra mim, o arquiteto é um desenhista.

    ResponderExcluir
  5. Gabrielito, concordo quase que plenamente contigo... MAS, não acho que arquiteto seja um desenhista... é muito raso dizer isso... então queres o produto final do teu trabalho não devem ser projetos, mas sim desenhos?

    Aproveitando, te pergunto, tu acha que para ser arquiteto deve-se obrigatoriamente saber desenhar bem?

    ResponderExcluir
  6. Obviamente, não quis dizer que o arquiteto é SÓ um desenhista, fio... Mas sim, tem que saber desenhar (e fazer todo o resto também, pois se ele souber SÓ desenhar, também não vai prestar, mas isso é óbvio).

    E desenhar "bem" é vago... tem gente que acha que o Niemeyer desenha mal... eu acho, sim, que o arquiteto deve, necessariamente, saber se expressar através do desenho. E isso pode ser feito com poucos traços simples, sem sofisticação.

    ResponderExcluir
  7. Luciano, li este post e o antigo sobre desenho e arquitetura, e respondendo ao apelo do outro, segue o blog de um professor da minha faculdade que desenha muito bem e ao que me parece agora está com um projeto de desenho de observação com os alunos, pena eu não ter sido desta época... mas nunca é tarde pra recomeçar não é?? e vamos caminhando...

    ah sim, o link: http://croquisdearquitetura.blogspot.com/ quase esquecia! rsrsrs

    ResponderExcluir